terça-feira, 18 de agosto de 2009

SISTEMA NERVOSO


Sistema nervoso
video









O sistema nervoso, juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a perceber as variações do meio (interno e externo), a difundir as modificações que essas variações produzem e a executar as respostas adequadas para que seja mantido o equilíbrio interno do corpo (homeostase). São os sistemas envolvidos na coordenação e regulação das funções corporais.

Os neurônios são as células responsáveis pela recepção e transmissão dos estímulos do meio (interno e externo), possibilitando ao organismo a execução de respostas adequadas para a manutenção do nosso corpo.Um neurônio é uma célula composta de um corpo celular (onde está o núcleo, o citoplasma e o citoesqueleto), e de finos prolongamentos celulares denominados neuritos, que podem ser subdivididos em dendritos e axônios.

Os dendritos são prolongamentos geralmente muito ramificados e que atuam como receptores de estímulos, funcionando portanto, como "antenas" para o neurônio. Os axônios são prolongamentos longos que atuam como condutores dos impulsos nervosos. Os axôniospodem se ramificar.

O terminal axonal é o local onde o axônio entra em contato com outros neurônios e/ou outras células e passa a informação (impulso nervoso) para eles. A região de passagem do impulso nervoso de um neurônio para a célula adjacente chama-se sinapse.

Em muitos axônios, esses tipos celulares determinam a formação da bainha de mielina - invólucro que atua como isolante térmico e facilita a transmissão do impulso nervoso.


Sistema Nervoso Central
Introdução: Compreende o encéfalo e a medula espinhal; o encéfalo é a parte do Sistema Nervoso Central que é protegida pela caixa craniana e compreende o cérebro, cerebelo, ponte e o bulbo; a medula espinhal é protegida pela coluna vertebral.
Encéfalo
Cérebro: É o órgão mais importante do Sistema Nervoso Central; é responsável pelo controle de inúmeras funções voluntárias (como a contração dos músculos esqueléticos) e involuntárias (como o peristaltismo intestinal); sua parte mais externa é chamada córtex cerebral e é composta pelos corpos dos neurônios (é a chamada massa cinzenta) e a parte mais interna do cérebro é chamada massa branca, devido à sua coloração esbranquiçada e é formada por axônios e dendritos. O córtex é todo “dividido” em zonas e em cada uma localiza-se um centro regulador, assim temos áreas da audição, visão, motricidade, fala, etc. O cérebro dos mamíferos é repleto de giros, não é liso, isto deu a esses animais uma maior superfície de massa cinzenta com o mesmo volume cerebral.
Cerebelo: Localiza-se abaixo do cérebro tendo importantes funções como: regulação do equilíbrio, manutenção do tônus muscular e coordenação dos movimentos comandados pelo cérebro; esta ultima função é importantíssima, pois permite que façamos ações com precisão e até corrijamos os movimentos durante o seu transcorrer.
Ponte: Localiza-se abaixo do cérebro, acima do bulbo e à frente do cérebro; tem função de elo de ligação entre diversas partes do encéfalo e está relacionada a reflexos ligados a emoções.
Bulbo: Está localizado abaixo da ponte e acima da Medula, comunicando esta com o encéfalo; controla algumas funções vitais para o organismo como os ritmos respiratório e cardíaco e alguns atos reflexos (torce e vômito).
Medula Espinhal: É um órgão em forma de cordão que se localiza no interior da coluna vertebral; comunica-se com o encéfalo através do bulbo; na Medula, ao contrário do cérebro, a massa cinzenta localiza-se no centro e a massa branca na periferia. Da Medula Espinhal partem 31 pares de nervos raquidianos que trazem informações dos diversos órgãos do corpo e levam respostas do Sistema Nervoso Central. A Medula funciona basicamente como um meio de condução de impulsos nervosos para o encéfalo e destes para os órgãos; muito embora também participe de alguns atos reflexos.
Observação 1: além da proteção oferecida pelo crânio e pela coluna vertebral, o encéfalo e a medula espinhal são revestidos por três membranas (pia-máter, aracróide e dura-máter), as meninges; entre a pia-máter e aracróide existe uma fina camada de líquor, um liquido claro com função de proteção.
Observação 2: a Medula Espinhal não preenche toda a coluna vertebral, ela vai até o nível da primeira vértebra lombar (L1); desta maneira é possível anestesiar apenas o abdômen e membros inferiores por meio da Raquianestesia. Nesta o anestesista introduz a Raquianestesia por meio de uma agulha abaixo da vértebra L1 bloqueando apenas os nervos abaixo deste nível.
Sistema Nervoso Periférico
É formado pelos nervos que comunicam os órgãos com o Sistema Nervoso Central e pelos gânglios nervosos (agrupamento de corpos celulares dos neurônios localizados fora do Sistema Nervoso Central, observados próximos à coluna vertebral, junto aos nervos que dela partem). Os nervos podem ser classificados em sensitivos, motores ou mistos de acordo com o caráter do impulso que conduzem e em raquidianos ou cranianos de acordo com sua origem. Os nervos sensitivos são aqueles que levam impulsos dos órgãos do Sistema Nervoso Central pra os órgãos, ou seja, transmitem sensações ao Sistema Nervoso Central. Os nervos motores são aqueles que levam impulsos dos órgãos do Sistema Nervoso Central pra os órgãos, ou seja, transmitem ordens do Sistema Nervoso Central. Os nervos mistos são aqueles que levam impulsos tanto sensitivos quanto motores. Os nervos cranianos são aqueles que comunicam a encéfalo com os órgãos, são 12 pares podendo ser sensitivos, motores ou mistos. Os nervos raquidianos comunicam a medula com os órgãos, são 31 pares, todos são mistos.
Sistema Nervoso Autônomo:
Pode-se dizer que o Sistema Nervoso Periférico engloba todos os nervos do organismo. Alguns desses nervos permitem aos indivíduos relacionar-se com o ambiente que o cerca, como os nervos motores de ação involuntária e os nervos sensitivos que transmitem sensações externas, sendo por isso chamado Sistema Nervoso da vida de relação. Outros desses nervos atuam independente da vontade do individuo regulando as funções vitais sendo por isso chamado de Sistema Nervoso da vida vegetativa ou Sistema Nervoso Autônomo. O Sistema Nervoso Autônomo pode ser dividido em Sistema Nervoso Simpático e Sistema Nervoso Parassimpático. O Sistema Nervoso Simpático prepara o organismo para situações de perigo ou stress, desta maneira aumenta os ritmos respiratório e cardíaco, promove constricção dos vasos sanguíneos periféricos direcionando o fluxo sanguíneo para os músculos e para o Sistema Nervoso, dilata as pupilas e diminui o peristaltismo. O Sistema Nervoso Parassimpático têm funções antagônicas e é a ação conjunta dos dois que garante a harmonia do organismo. Do Sistema Nervoso Simpático fazem parte os nervos raquidianos das regiões lombar e dorsal e do Sistema Nervoso Parassimpático um nervo craniano (vago) e os nervos das regiões sacral da Medula Espinhal.
Atos reflexos: São respostas involuntárias, comandadas pelos órgãos do Sistema Nervoso Central, a determinados estímulos recebidos pelo organismo. A tosse, o vômito, a salivação (ao ver um alimento saboroso) são exemplos de atos reflexos. Um exemplo clássico de ato reflexo é o impulso de retirada da mão ao encostar-se a um objeto quente; este é dito um ato reflexo medular, pois a medula espinhal é o único órgão do Sistema Nervoso Central envolvido.
Ele acontece da seguinte maneira: ao encostar a mão na panela quente, as terminações nervosas da pele produzem um impulso nervoso, que é conduzido pela parte sensitiva de um nervo raquidiano até a medula. Esta envia uma resposta através da parte motora do mesmo nervo indicando que músculo do braço se contraia, então retiramos a mão. Ao mesmo tempo em que envia uma resposta motora, a Medula Espinhal envia um outro impulso para o cérebro informando a sensação dolorosa recebida; é aí que sentimos a dor da queimadura. Todo este processo acontece em frações de segundos.




Um comentário: